sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O contributo da RL “Goose and Gridiron” para a Maçonaria Especulativa...

A Respeitável Loja que inspirou os mestres fundadores da “RL Ganso e Grelha - Goose and Gridiron nº129” a constituírem esta Respeitável Loja foi a RL “Lodge of Antiquity” mais conhecida por “Goose and Gridiron” pelo símbolo que ostentava a porta do local onde esta se localizava e que se situava junto ao Adro adjunto à Igreja de São Paulo, na London House Yard número 8, na cidade de Londres, Inglaterra.

À época, 1716, nesta Loja que foi fundada em 1691, reuniam maçons que decidiram em conjunto com os obreiros de outras duas Lojas que também reuniam na cidade londrina e uma outra Loja de Westminster, que dado o ambiente em que viviam nesse tempo, principalmente ao que à construção civil era premente, em se agruparem e reunirem debaixo de uma hierarquia (o Grão-Mestre), formando uma federação de Lojas, apesar de que cada Loja continuaria a ter o seu presidente próprio, o Mestre da Loja (actual Venerável Mestre), a que se veio designar como Grande Loja de Londres e Westminster.

A data para a celebração desse convénio foi combinada para ser realizada durante a celebração anual do Solstício de Verão, onde também iria decorrer a Assembleia Anual de Verão dos maçons ingleses em Junho de 1717.

Assim, na noite de 24 de Junho de 1717, durante a realização desta Assembleia Magna, foi eleito Anthony Sayer como Grão-Mestre e como Vigilantes John Elliot e Jacobus Lamball .

A esta união de Lojas podemo-la considerar como  sendo a consolidação de um tipo de Maçonaria que é a que actualmente prevalece no mundo inteiro e que designamos por “Maçonaria Especulativa” e que fora iniciada aquando da Iniciação do primeiro maçom não-operativo, de nome John Boswell, na St. Mary Chapel Lodge nº1 localizada em Edimburgo, Escócia, ao ano de 1600, e posteriormente vários anos mais tarde, do conhecido membro da Royal Society de Londres, Elias Ashmole, numa Loja situada em Warrington,Inglaterra, em Outubro de 1646.

Este passo dado pelas Lojas londrinas em se organizarem debaixo de uma federação única e tuteladas por um único Grão-Mestre, sendo este a autoridade maior dessa federação de Lojas, preconizou o futuro da Maçonaria, em que ainda nos dias de hoje as Lojas se reúnem em federações designadas por “Grandes Lojas” ou “Grandes Orientes” (dependendo esta designação da quantidade de Ritos utilizados para o “trabalho” das Lojas filiadas nestas Obediências).

Existem várias teorias que abordam a realização, ou não, deste encontro nesta mesma data ou local e mesmo alguns autores chegam inclusive a afirmar que tal teria ocorrido mesmo noutro ano e não no ano de 1717. Mas o que é comummente aceite pela generalidade dos Maçons é que tal ocorrência foi na data e local que menciono, dia 24 de Junho de 1717 e na taberna “Goose and Gridiron” durante a Assembleia de Solstício de Verão.

Todavia, anteriormente a este acontecimento, já a RL “Goose and Gridiron” (a original) reunia e realizava os seus trabalhos maçónicos.

Hoje em dia pouca documentação sobre esta Loja subsistiu e pouco do que se pode encontrar de informação relativa a ela encontra-se na biblioteca e livraria da Grande Loja Unida de Inglaterra e também dispersa em livros e sites de autores diversos, para além do facto de que esta Loja também já não se reunir no seu local original, pois este foi demolido e onde no edifício que hoje se encontra nesse sítio ser possível se observar uma lápide com a informação de que era esse o seu local de estabelecimento original; lápide esta, a qual foi desvelada a 24 de Junho de 1997, durante a celebração do Solstício de Verão pela Grande Loja Unida de Inglaterra.

Esta Loja, tal como outras do seu tempo, funcionava no local ou na proximidade do sítio onde habitualmente os maçons/pedreiros se encontravam e reuniam no fim da sua jornada laboral; dessa forma, esse espaço não poderia ser longe do local onde trabalhavam e/ou onde residiam. Os maçons/pedreiros que eram membros desta Loja trabalhavam na sua maioria na construção da Igreja de São Paulo.

E naturalmente como “corpo que trabalha pede sustento/alimento”, também os pedreiros tinham de se alimentar e o espaço gastronómico onde se dirigiam para tomar as suas refeições e também aproveitarem para socializar, seriam as “tascas” de então. Aproveitando o facto de estes construtores se encontrarem juntos nesses sítios, nos levar a afirmar que esta conjectura propiciou à realização das reuniões das agremiações a que cada um pertencesse efetivamente nesses mesmos locais.

A RL “Goose and Gridiron” original reunia no primeiro piso da taberna cervejeira que a albergava e de onde tomou o seu nome e símbolo, sendo esta uma maneira que tornava mais fácil a identificação da sua localização espacial, do que ser “apenas” conhecida pela sua real denominação (Lodge of Antiquity), o que dificultaria imenso o seu reconhecimento pela massa iletrada e analfabeta que constituiria a maioria dos “profissionais da construção” desses tempos.

No entanto, a adopção desta designação não foi meramente exclusiva do facto de se reunir nesse local, mas também uma espécie de sátira a uma transliteração do nome de uma sociedade musical que reunira no mesmo espaço em tempo anterior, e cujo nome pela qual era conhecida seria de “O Cisne e a Harpa de Apolo”, advindo de aí a designação de “O Ganso e a Grelha”.

Tal como afirmei anteriormente, não é possível efectuar-se uma visita hoje em dia a este local, dado o mesmo ter sido reconstruído em 1786 e posteriormente demolido em 1895, mas podemos encontrar as plantas do edifício e o seu célebre símbolo (um ganso sobre uma grelha) na Livraria e Museu da Maçonaria em Londres.

No entanto e apenas por curiosidade, apraz dizer que esta Loja mudou de nome em 1729 para“Lodge of Antiquity 1” e sendo conhecida como “Lodge of Antiquity 2” apartir de 1814, tendo reunido e efetuado as suas sessões maçónicas em várias tabernas durante a sua existência, sendo que apartir de 1865 estabeleceu a sua residência no número 60 da Great Queen Street, onde atualmente é a Freemason’s Hall de Londres.

E porque decidiram os obreiros da RL “Ganso e Grelha – Goose and Gridiron nº129” escolher esta Loja ou o nome desta taberna para ser ela o nome pela qual seria conhecida e matriculada a sua Loja?

Primeiro, porque decidiram prestar tributo a uma Loja que estava no cerne da criação daquilo a que hoje vivenciamos como sendo uma Grande Loja. Aliás estes obreiros e a “RL Ganso e Grelha – Goose and Gridiron nº129” estão filiados numa Grande Loja, a Grande Loja Legal de Portugal/Grande Loja Regular de Portugal, de matriz Regular, Tradicional e anglo-saxónico, tal como a Grande Loja de Londres e Westminster, Grande Loja Unida de Inglaterra na atualidade, o são na contemporaneidade.

Segundo, também por tudo aquilo que a original RL “Goose and Gridiron” representa também ela para o mundo inteiro, pois se não tivesse acolhido gente que demonstrou uma enorme vontade em trabalhar e ter juntado membros de outras Lojas para trabalharem em uníssono num projecto  - Maçonaria Especulativa - que actualmente se encontra disperso pelo globo e que já leva trezentos anos de estabelecimento, e em clima de franca e sã fraternidade, nada daquilo do que pretendemos fazer pela nossa Augusta Ordem e pela Maçonaria na sua generalidade, o poderíamos realmente ambicionar e realizar…

Depois, dado os membros da “RL Ganso e Grelha – Goose and Gridiron nº129” serem assumidamente gente de trabalho, com um perfil operativo e também claramente especulativo, e ao terem tomado como base local para as suas reuniões primordiais  um estabelecimento gastronómico, tal como as antigas tabernas que acolhiam os maçons nas suas refeições e sessões maçónicas, também estes obreiros decidiram prestar, à sua maneira, uma homenagem a essas tabernas e cervejarias de então.

E tendo estes actuais obreiros a noção clara que de somente trabalhando e vivendo em fraternidade, propiciando a inclusão entre todos, podem eles aspirar, assim queira o Grande Arquitecto do Universo, que a RL “Ganso e Grelha – Goose and Gridiron nº129” siga os propostos fins a que a original “Goose and Gridiron”se propôs e a si consignou…


Bibliografia:
Revista “Franc Maçonnerie nº57”, Ed.Julho/Agosto 2017;

 Revista “Ars Quator Coronatum” Volume XXXVII, 1924;

 Revista “Degree South”, Volume 7, Issue 3, May 2017;

“List of Lodges, with their numbers, as altered by order of the Grand Lodge, April 18, 1792”  Free-Mason’s Calendar, 1800;

 The Builder Magazine, March 1924 – Volume X – Number 3 – H.L.Haywood;

  The Four Old Lodges, Robert Freke Gould, 1879;

 “Teorías acerca del origen de la Francmasonería”, John Hamill, tradução por Oscar Illanes, 2001;

  “Origen de la Masoneria”, Herbert Ore Belsuzarri, 2012;

 “History of freemasonry from its rise down to the present day”, Gabriel Joseph Findel, 1866;

“Primórdios da Grande Loja de Londres”, João Nery Guimarães;

“Genesis of Freemasonry, An Account of the Rise and Development of Freemasonry In Its Operative, Accepted, and Early Speculative Phases”, Douglas Knoop e G.P. Jones, 1947;

“Maçonaria Contemporânea, Abordagem Histórica”, Hercule Spoladore;

“As origens da Maçonaria”, Adalberto Gonçalves Correia, 2009;

Illustrations of Masonry”, William Preston, 1772;

 Rudyard Kipling Lodge: “Que s’est-il donc vraiment passé le 24 Juin de 1717 à la brasserie L’Oie et le Gril”
http://www.rudyard-kipling.fr/Travaux-1717-oie-et-le-gril.html

  O Prumo de Hiram: “O Ganso e a Grelha, 24 de Junho de 1717, o que realmente aconteceu ali”
http://www.thefleece.org/goose.html

Phoenixmasonry.org: “Goose and Gridiron Ale-House and the Original Four Lodges, Ralph Omholt”

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Retorno às minhas "burilagens"...

Depois de ter estado ausente deste espaço, por ter andado também a publicar textos noutros locais, nomeadamente aqui no "A Partir Pedra" e aqui na "Cerberus Magazine", regresso a este meu espaço onde pretendo apenas partilhar o que entendo que devo fazer e que, eventualmente, possa enriquecer quem o visita e lê o que por aqui for, por mim, publicado.
Quanto à frequência das postagens, serão as que tiverem de o ser... ou quando o Tempo assim o permitir...

Obrigado!!!



sexta-feira, 23 de novembro de 2012

In Silentio...

 

in silentio me fico,
in silentio me quedo.
no silêncio não existe vazio,
apenas eternidade...
 
Obrigado!!!

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Para ver (16)...


Hoje trago-Vos uma cena do filme italiano de Mario Monicelli realizado em 1977 e que se chama "Um pequeno burguês".
Obviamente que esta pseudo-cerimónia a que pudemos assistir neste trecho do filme não é real e mesmo sendo uma sátira, encontra-se muito distante do que é uma Iniciação Maçónica. Mas, não deixa de ser interessante visionar a mesma, nem que seja pelo  humor da situação.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Sugestão Literária (18)...


Hoje sugiro-Vos um dos livros que já reli mais do que duas vezes. É um livro do Luís Filipe Sarmento, onde o autor faz uma crítica mordaz do chamado "universo esotérico", roçando de perto  a Maçonaria. Mesmo que não seja totalmente fidedigno, ele aborda pseudo-rituais, palestras, jantares e convívios, um pouco o que de facto se passa na vida de quem anda por estas andanças.
É um livro bastante interessante e que serve para descomprimir de outras leituras mais exigentes; livro este que se devora  num ápice.
Como aperitivo deixo-Vos um capítulo do livro para lerem e que se encontra acessível aqui .

"Crónica da vida social dos Ocultistas", de Luís Filipe Sarmento, Editora Zéfiro.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Para escutar (24)...


Hoje é a vez do Irmão Phil Collins vir a este palco, com a canção 
"I wish it would rain now".

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Maçonaria e Alquimia… Artes Reais…

 
Maçonaria e Alquimia apesar de serem áreas e conceitos distintos têm um paralelismo relevante que não pode ser negligenciado.
Ambas, na sua definição de conceito simbólico são reconhecidas como a Arte Real, “Ars Regia”, e ambas procuram a perfeição.
Na Alquimia, o iniciado Alquimista procura através da execução da Grande Obra, por meio de vários processos laboratoriais (nomeadamente a dissolução, a coagulação, a cocção, a sublimação e a projeção entre outros…) atingir o “Ouro dos Filósofos”, como também é amplamente conhecida a desejada Pedra Filosofal, a Perfeição.
Já na Maçonaria, o Maçom tenta através do desbaste e burilagem da sua “pedra bruta” (sua essência) torná-la próxima à “pedra cúbica”, pedra essa já polida (estádio final do trabalho maçónico).
E, enquanto ao maçom (neófito ainda) se lhe pediu que visitasse o interior da terra (meditasse e refletisse para si e sobre si mesmo) para que pudesse encontrar a pedra oculta que se encontra no seu íntimo (o seu Eu), o alquimista durante o seu processo de aperfeiçoamento (suas operações) também ele se depara com este vitriol durante o desenrolar da Grande Obra, mais concretamente na fase do nigredo. É nesta fase do processo alquímico que se dá o solve et coagula, (axioma alquímico bastante conhecido), pois é durante esta fase que se efetua a dissolução da matéria-prima (“libertação”)e a sua putrefação (“separação” dos elementos que a compõem). O nigredo é uma das fases que integram a Grande Obra, processo esse que é considerado por vários autores como formado por três partes (existem outras teorias em que o número de fases são quatro ou mais, dependendo o número de operações, via escolhida e matérias-primas usadas), partes essas a saber: Nigredo, Albedo e Rubedo.
Encontramos aqui uma das várias referências ao Ternário (outras poderão ser encontradas no paralelismo com outros ternários que se encontram em ambas, Maçonaria e Alquimia, tal como: matéria/corpo, mente e espírito, entre outros…).
Ternário esse de extrema relevância para os maçons, pois para eles é através do Ternário (número 3) que a Dualidade/Binário (número 2) retorna à Unidade (número 1).
Todavia na Alquimia, este “regresso à unidade manifesta-se após as núpcias alquímicas entre o Reie a Rainha (Mercúrio e Enxofre Filosofais; matérias-primas estas, que não têm nenhuma relação com os elementos naturais e químicos, o metal Mercúrio (Hg) e o Não-metal Enxofre(S)) que originam o Hermafrodita/Rébis (Sal que nada tem a haver com o “sal comum” ou o sal resultante de uma reação química Ácido/Base), conhecido como o “dois em um”.
À semelhança do Adepto, também o Maçom necessita de um espaço onde possa trabalhar a sua pedra até a mesma atingir a forma desejada. Enquanto o Adepto necessita de um laboratório (labora et ora) físico e instrumentos e aparelhos para o auxiliar nos seus trabalhos, o Maçom apenas necessita do seu corpo (matéria) e mente (vontade) para trabalhar (o seu espírito). E persistindo nesse trabalho é se possível transformar a “pedra bruta” em “pedra polida”. Note-se aqui o termo “transformar”.
A Maçonaria transforma algo existente em algo diferente, mas a matéria final é a mesma matéria original. E a Alquimia transmuta, ou seja, cria algo novo/diferente apartir de matérias/origens diferentes.
Ou seja, enquanto o Maçom será sempre o mesmo Homem apenas com as mudanças no comportamento/carácter associadas ao seu “aperfeiçoamento moral” (porque a Maçonaria apenas (!) trata de aperfeiçoamentos morais e é considerada uma via/caminho pessoal efetuado através da Virtude e também a prossecução de outros princípios morais na vida do maçom), a sua essência será sempre a mesma. Na Alquimia, o Adepto pega em metais menos nobres, e tenta transformá-los em ouro/prata. Ou seja, parte de algo diferente e que modifica a sua substancia. Neste caso, utiliza materiais filosofais e/ou físicos e procura atingir a Perfeição (estado superior de espírito) que tanto pode ser designado por Elixir da Imortalidade (tenho para mim, que ele apenas é a lembrança da palavra e da ação do Homem através dos tempos…) ou por Pedra Filosofal (na minha opinião, o Conhecimento/Sabedoria; pois nada traz mais riqueza ao Homem que o saber…). E essa dita Perfeição, será mais depressa obtida (ou não…) dependendo do empenho do Adepto/Maçom durante esse trabalho que terá a fazer (só o próprio e mais ninguém!).
Se a Pedra ficará cúbica ou se a Obra se completará, somente os intervenientes o saberão. Quanto a mim, apenas me resta continuar a burilar a minha pedra “tosca” e “feia”, pois ainda se encontra muito longe da forma que ambiciono para ela…


quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Sugestão Literária (17)...


Hoje sugiro-Vos a leitura do livro "Alquimia & Misticismo, O Gabinete Hermético" da série Icons da TASCHEN (editora).
É um livro riquíssimo em simbologia, contendo as principais imagens/gravuras herméticas conhecidas, nomeadamente as mais estudadas das várias correntes esotéricas que existem, seja Rosa-Cruzes, Cabalístas, Alquimistas entre outras...
Em relação à temática deste blogue, este livro contém algumas gravuras maçónicas de grande qualidade e enorme importância.
A não perder...
 
"Alquimia &Misticismo, O Gabinete Hermético", série Icons, Tasche, Alexander Robb

sábado, 20 de outubro de 2012

Palestra "A Maçonaria Regular em Portugal", dia 23 Outubro 2012



Dia 23 do corrente mês, na Biblioteca-Museu República e Resistência (Museu Grandella), sita na Estrada de Benfica nº419 em Lisboa, terá lugar às 19h30, a palestra "A Maçonaria Regular em Portugal" que terá como orador, José Manuel Moreira, um dos fundadores da regularidade maçónica no nosso país, que com o auxílio e trabalho de outros respeitáveis Irmãos, fundou a Grande Loja Legal de Portugal/GLRP, a única Obediência Maçónica Regular (reconhecida pelas principais Grande Lojas e Grandes Orientes internacionais) em Portugal.
Será uma palestra bastante interessante para quem se interessa sobre a história da Maçonaria em Portugal e principalmente pela Regularidade, tema esse sempre sugeito a algumas considerações ou ideias nem sempre corretas por parte de profanos e maçons. Pelo que ouvir os esclarecimentos de alguém que teve um papel importante na regularização e criação de uma Obediência Regular portuguesa é sempre de enaltecer.
 
PS: Poderá ainda ser visitada no mesmo espaço, a Exposição "Imagens ReVeladas", organizada em conjunto pelo  fotógrafo Dário Vieira e pelo pintor João Silva, que decorrerá até ao fim do corrente mês.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Conferência "Maçonaria e Catolicismo", 19 de Outubro de 2012


É já no dia 19 do corrente mês, a conferência "Maçonaria e Catolicismo" no âmbito do ciclo de conferências "A Maçonaria em Portugal, do século XVIII ao século XXI", tendo como conferencista principal o Professor Doutor Arnaldo Pinho e que se realizará no Museu Bernardino Machado em Famalicão.
Como é um tema sempre atual, esta dicotomia Maçonaria/Catolicismo tem sempre uma relevância enorme para os Maçons que professam a fé católica bem como para os católicos que consideram ser impossível tal realidade. Todavia, não deixará de ser interessante auscultar as opiniões de ambas as partes e principalmente a opinião do orador da conferência, uma vez que este debate nunca terá fim...

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Para ver (15)...


Hoje trago para verem como "sugestão", uma curta-metragem animada, norte-americana, que data de 1916 e que foi criada por Earl Hurd. Tem como título "Bobby Bumps start a Lodge" ( traduzido: Bobby Bumps cria uma Loja).
Achei interessante esta curta porque foi feita de modo a que qualquer criança a possa visionar, para além de satirizar com algum humor a Maçonaria num país onde a Instituição Maçónica tem uma preponderância e relevância enorme na Sociedade Civil.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

domingo, 7 de outubro de 2012

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Lançamento de livros de António Arnaut, (Past-Grão-Mestre do G.O.L) dia 13 de Outubro de 2012...



Aproveito para fazer uma "Sugestão Literária (16)" referente à re-edição do livro do mesmo autor ( António Arnaut), "Introdução à Maçonaria", uma vez que tive a oportunidade de ler e de possuir uma edição anterior do referido livro.
É um livro "curto" em paginação, mas "rico" no conteúdo, ou seja, nota-se a marca de alguém que conhece bem o que é a Maçonaria e para que serve a Maçonaria; além de ser alguém que teve responsabilidades acrescidas na condução de uma Obediência Maçónica, nomeadamente o Grande Oriente Lusitano (G.O.L.) tendo sido seu Grão-Mestre durante algum tempo, pelo que se desejava um livro que tivesse algo de mais ao nivél do simbolismo inerente à Ordem Maçónica... Sendo assim, espero para breve ter a oportunidade de ler esta nova edição, a sua sétima  edição, e que a mesma seja um pouco mais "completa" que as edições anteriores.
(Mas isto sou eu a "falar", que conheço  o que é estar do outro lado... pois que para "profanos" é um livro à medida e bastante interessante).

Fica a sugestão e o convite (basta clicar na imagem) para os lançamentos de ambos livros...


quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Exposição de Fotografia e Pintura 'imagens ReVeladas' de Dário Vieira e João Silva...


É com enorme prazer que anuncio esta exposição de dois amigos por quem tenho uma enorme estima e consideração, o fotógrafo Dário Vieira e o artista plástico João Silva.
Conheço o trabalho de ambos e posso inclusive afirmar a sua qualidade como belas obras de arte.
A exposição tem como título  'imagens ReVeladas' e encontrar-se-á patente na Biblioteca Museu República e Resistência - Grandella sita na Estrada da Benfica, 419 em Lisboa, apartir do dia 3 de Outubro de 2012 até ao fim do respetivo mês.
No dia de inauguração, dia 3 cerca das 18h30, os convidados poderão ainda assistir a  um apontamento musical proporcionado pelo convidado especial Carlos Sanches tocando guitarra portuguesa bem como tomar um 'Porto de honra' enquanto visitam a exposição.

domingo, 23 de setembro de 2012

Para escutar (23)...


É já no próximo dia 07 de Outubro que o Irmão Leonard Cohen virá a Lisboa, mais concretamente ao Pavilhão Atlântico cantar, no âmbito da digressão "Old Ideas World Tour 2012".
Assim aqui deixo-Vos a canção "Hallelujah" para apreciarem...

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Sessão Grande Loja de Equinócio de Outono de 2012...

Teve lugar dia 15 do corrente mês em lugar a Oriente de Lisboa, a Sessão de Grande Loja referente ao Equinócio de Outono, que teve como ponto alto a Cerimónia de Instalação e tomada de posse do Muito Respeitável Grão-Mestre, o Irmão José Francisco Moreno que foi reconduzido no cargo após a sua vitória nas eleições passadas. No seu discurso, deixou palavras de harmonia, fraternidade, e uma profunda reflexão sobre os problemas que assolam a sociedade portuguesa, algo  que também preocupa e aflige os maçons portugueses, ou não fossem eles também cidadãos deste país.
 
Nesta Assembleia estiveram Irmãos de toda a parte do globo incluindo alguns Grão-Mestres e/ou seus representantes, principalmente da América do Sul, África e Europa, o que demonstra que o respeito que existe pela Grande Loja Legal de Portugal/GLRP e que a mesma se encontra consolidada por essa regularidade fora. Inclusivé esta sessão magna teve eco nos media nacionais nomeadamente aqui e aqui, demonstrando que afinal a Maçonaria é uma instituição não secreta mas com alguma discrição ao seu redor...
 
Faço votos de que este novo mandado seja tão frutuoso e profícuo como o anterior.
Força e Vigor!!!


quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Jornadas de Estudo – Maçonaria e Cristianismo ...



"O In Hoc Signo Instituto Hermético, em cooperação com a Justa e Perfeita Loja “Adhuc Stat!”, nº 5 do GPRDH, com a Akademia Maçónica de Sintra, com a Editora Zéfiro e com o Grupo de Estudos e Investigações Martinistas e Martinezistas de España (GEIMME) vai promover no dia 29 de Setembro uma Conferência pelo Presidente do GEIMME relativa ao Rito Escocês Retificado, um dos mais importantes e mais bem documentado Rito Maçónico surgido há mais de 200 anos na França pré-revolucionária. O Rito Rectificado é cristão e está organizado de modo muito particular, já que não tem Altos Graus, mas sim uma Ordem Interior que supervisiona todo o conjunto maçónico.
A Conferência é muito aguardada e tem por título “Las Claves Espirituales de la Masonería Cristiana”, sendo uma oportunidade para Diego Cerrado discorrer acerca das origens cristãs da Maçoniaria, de que modo essas origens estão ainda presentes na Maçonaria nos seus múltiplos Ritos e de qual é a proposta iniciática da Maçonaria Rectificada, fundamentada essencialmente na doutrina de Martinez de Pasqually e na Escola de Alexandria original, de Orígenes e Clemente, fontes do Cristianismo Primitivo.
A Conferência insere-se nas comemorações do 1º Aniversário da Loja “Adhuc Stat!”, nº5, Loja Maçónica Rectificada a trabalhar em Portugal sob os auspícios do Grão Priorado Rectificado de Hispânia."
PS: Texto retirado daqui.
 
Será mais uma conferência bastante interessante e desmistificadora sobre o que é a Maçonaria e a sua ligação com a religião cristã e principalmente sobre um dos  ritos maçónicos mais praticados na Península Ibérica e o que está mais próximo às correntes Martinistas.
A não perder...
 
 

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

No Grande Oriente Eterno (23)...

  • José Bento da Silva Lisboa (Visconde de Cairú);
  • Joaquim José Rodrigues Torres (Visconde de Itaborai);
  • José da Silva Maria Paranhos (Visconde do Rio Branco).

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

sábado, 1 de setembro de 2012

Listas aracnídeas supostamente maçónicas...

Enquanto a silly season se apresentou calma para a atividade da época (para o meio maçónico, e para o profano também…), eis que na rentreé, mais uma vez a Maçonaria voltou à baila.
Desta feita, foi através de um comentário efetuado na caixa de comentários de um blogue nacional, e onde foi publicada uma suposta lista de maçons supostamente filiados no Grande Oriente Lusitano . Não sei se a lista é fatual ou verdadeira, o que honestamente não me importa. O que me incomoda realmente, é o sentido pidesco que ainda frui hoje em dia, com a publicação sistemática de supostas listas e agendas que os maçons têm, fruto de teorias conspiratórias vãs e que normalmente se demonstram ao fim de algum tempo como erradas (sim, porque o tempo tudo prova…).
Como o autor deste singelo blogue, não tem “telhados de vidro”, e tem orgulho naquilo que é ( seja o que for, faz parte da minha identidade), pouco me importa se o meu nome vem publicado em listagens ou não, uma vez que a minha filiação maçónica é pública.
O que me chateia é o facto de alguém ainda nestes dias que correm puder ser prejudicado por ser isto ou aquilo, isso sim chateia-me imenso!
Da mesma forma como este pensamento mesquinho que ainda existe nas mentes portuguesas em pleno século XXI. A ditadura do Estado Novo formatou e doutrinou a mente portuguesa de tal forma que mesmo após o 25 de Abril de 1974, e depois de o Povo ganhar a merecida Liberdade, ainda mantém os mesmos preconceitos e axiomas que antes tinha.
Hoje em dia, fala-se muito de valores como a Liberdade, Igualdade, Tolerância, Direitos para toda a gente e tal…, mas quando se fala em maçons e Maçonaria, parece que para uma boa franja da população nacional, nem os maçons nem a Instituição deveriam existir ou então obrigatoriamente se deveriam assumir como tal, dando a ideia que os direitos são para uns e os deveres somente para outros. E é este mesmo pensamento obtuso que contemporaneamente ainda condiciona os maçons e a Maçonaria na sua forma de estar e agir na Sociedade em que se inserem.
Qualquer pessoa de bem, com o mínimo de inteligência, curiosidade e tal…, poderá pesquisar seja na internet, na literatura, etc etc, o que é a Maçonaria, a sua “ação”, quem foram os seus membros ilustres que contribuíram (e ainda contribuem) para o Progresso da Humanidade.
Em países como os Estados Unidos da América, Brasil, países latino-americanos, países nórdicos europeus, a exposição pública da Maçonaria é constante. Seja em ações de beneficência, em palestras e tertúlias, desfiles, de tudo um pouco, pois os maçons nesses países exibem orgulhosamente a sua condição maçónica. Mas na Tugolândia, parece que ser maçon é ser algo de ruim e de prevaricador. O que anda muito longe da realidade!
Quem se interessa por Maçonaria de facto (!) pode encontrar diverso material para se informar condignamente e assim melhor compreender a Ordem; Mas, se a sua intenção é apenas fazer “conversa de café” e criticar e difamar ( algo tão comum na mente lusa) e continuar a criticar o que não conhece e nem entende (porque assim não o quer fazer!) apenas demonstra  a ignorância e pequenez em que vive.
Por vezes a Maçonaria também se põe a jeito, filiando gente que nunca o deveria ter feito, mas erros e más rezes existem em todo os sítios onde o Homem se encontra e é com os erros que se aprende e se progride também, mas condenar uma Instituição e a generalidade dos seus membros pelos erros de uns poucos, é pouco dignificante para quem o faz. Pois toma todos por uns… Não se “mata” uma floresta por existir um “mau” arbusto, no limite arranca-se o dito
Mas quem continuadamente condena a Ordem, seja pela sua discrição (porque secretismo não o vejo como tal, tanta foto circula pela internet inclusive supostas listas e também listas verdadeiras expostas pelas próprias Lojas) seja pelo que for… bem pode olhar para a sua vida particular porque por certo encontrará na sua “privacidade” tema suficiente de conversa e preocupação e crítica suficiente para deixar de se preocupar com a vida dos outros e das suas escolhas e decisões pessoais.
E este novo “caso” é fruto disto mesmo, a típica “conversa de café”, do “disto e daquilo”… e da curiosidade sobre a vida alheia…tão portuguesa...
PS: Agora vou ali limpar umas teias de aranha, porque gosto pouco de aranhiços e de coscuvilhices…

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

sábado, 28 de julho de 2012

Sugestão Literária (15)...



Depois de ter lançado o livro "Maçonaria Desvendada" em 2010, o Irmão Luís de Matos vem este Verão editar sob a chancela do In Hoc Signo - Hermetic Intitute o livro "Alquimia" (tema homónimo) que fará parte da Coleção "Quero saber".
Este livro abordará genericamente sobre Alquimia e os seus principais percursores, pelo que será uma aquisição interessante para a biblioteca de cada um para além de ser uma leitura dos textos de alguém que escreve de uma forma apaixonada e credível.
O livro estará fora do mercado habitual, pelo que pode ser adquirido AQUI ou através do evento do Facebook destinado à sua promoção AQUI.
O autor fez uma breve descrição do conteúdo do livro que pode ser acessado AQUI.
Para mais informações, ler o informação disponibilizada pelo autor .

Livro: "Alquimia", Coleção "Quero saber", IHS-HI, Luís de Matos.

sábado, 21 de julho de 2012

Para ver (13)...


Um video interessante acerca da simbólica existente no interior de um Templo Maçónico.

terça-feira, 17 de julho de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012

Eternitas...


No dia em que perecerei e o meu corpo perder,
 se mais nada por cá ficar, a minha lembrança  restará...
Pois nada morre, tudo é eterno...

sábado, 7 de julho de 2012

terça-feira, 3 de julho de 2012

Sessão de Grande Loja de Solstício de Verão de 2012...

Decorreu a habitual sessão de Grande Loja referente ao Solstício de Verão, numa unidade hoteleira da capital na véspera da data que se comemora como o dia de São João (patrono da Maçonaria).
Segredos à parte, nesta sessão foi dado a conhecer o nome do irmão eleito para dirigir a GLLP/GLRP para o triénio 2012/2014; e nesse âmbito foi re-eleito o irmão José Moreno pertencente ao quadro de obreiros da Respeitável Loja "Mestre Affonso Domingues nº5" para o cargo de Grão-Mestre da Obediência Regular em Portugal. O que comprovou o excelente trabalho  desempenhado no triénio anterior. A sua tomada de posse ocorrerá na sessão de Equinócio de Outono e então a (sua) sucessão estará pronta.
Aqui neste espaço apenas se pode desejar Força e Vigor para o "novo" Grão-Mestrado e que tudo ocorra da forma profícua como decorreu o anterior.
Às Tuas Ordens, meu Irmão!

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Fraternidade Maçónica...

A Maçonaria é uma instituição iniciática de carácter fraternal, logo é uma “fraternidade”.
Uma fraternidade de irmãos não de sangue mas de irmãos unidos pela virtude; pois tudo o que por ela foi unido jamais será separado…
E é vivendo essa união fraternal que o maçom complementa o seu trabalho. Ela está lá, ela existe (para assim persistir…).
Na Maçonaria, qualquer Irmão é igual entre si, a Igualdade existe seja para quem for, seja para o que faz na sua vida profana. Dentro da Maçonaria todos são iguais! E sempre que algum maçom necessitar de auxílio, alguém “correrá” em seu socorro. Mas todavia, essa “corrida” apenas existirá se a necessidade de auxílio for real e se dela não se depreender nada que seja ou se torne ilegal. Nada em Maçonaria é ilegal!!!
As leis do Estado, as leis morais e sociais, da Sociedade onde se vive devem ser sempre(!) respeitadas, sob pena do não auxílio e/ou consequente pena de expulsão da fraternidade maçónica. E se bem que se fala em auxílio, nem sempre o mesmo terá de ser necessariamente financeiro. Uma boa maioria das vezes o auxílio que se pode dar ou oferecer é a presença, a companhia, um bom conselho, uma palavra de estímulo para algo, ou simplesmente um abraço caloroso. E nada disso é de somenos importância. Pois um irmão assim deve agir, tal como o faz com a sua “família de sangue”. A Maçonaria é apenas uma família de acolhimento que ele escolheu para prosseguir também o seu caminho de aperfeiçoamento moral.
Tal como um bom amigo meu (e Mestre Maçom) diz: “ Na Maçonaria faz-se amizade “pret-a-porter” , isto é, em qualquer parte do mundo, um maçom tem um amigo, um irmão que o guiará, que o auxiliará no que lhe for necessário e lhe seja possível assim o fazer. E de facto é isso mesmo, um maçom só está “obrigado” a prestar a ajuda que lhe for possível e mais nada que isso lhe é exigido.
E é essa sensação de ajuda, amizade, presença e pertença a algo maior que permanentemente existe, que incute a vivência da fraternidade de uma forma que se de outra maneira fosse, não o seria possível de o fazer e vivenciar! E é vivendo esta troca de sentimentos, esta partilha, que o sentimento fraternal cresce e se vai solidificando entre os irmãos.
Quando um recém maçom, recente Aprendiz, neófito ainda, é cooptado pela Loja, terá logo à sua volta quem lhe transmitirá esses valores fraternais, esses valores familiares que infelizmente nos dias que correm nem sempre se encontram ou se reconhecem na família de origem… Naqueles “novos familiares”, o neófito encontrará alguém que o poderá guiar, apoiar, ensinar, e que acima de tudo o vai criticar. Sim, criticar! Nem toda a crítica tem de ser pejorativa e nem todo o auxílio tem de ser assertivo. Faz-se o que é possível e necessário para o bom encaminhamento do recente Irmão.
É bem verdade que de início a integração na Loja possa parecer difícil, pois se estará num local onde caras que não se conhecem e que nos são estranhas nos tratam de imediato como se nos conhecessem há vários anos e/ou fizéssemos parte dos seus amigos ou familiares. E por mais que diferente pensemos  ou mais diferente opinemos (e existem muitas e diversas formas de pensar entre maçons! E principalmente maçons de diferentes culturas, origens sociais e financeiras), a tolerância e o mútuo respeito sempre existe e se encontra à frente de tudo.  E a bem da verdade, é  assim que se passa e assim se deve passar entre irmãos, pois a partir daquele momento em que temos um vislumbre da “Luz” , passamos a ser todos parte de uma grande família, a Maçonaria.  E que juntos seguimos o nosso caminho, num trajeto pleno de virtude e amor fraternal, ou não tivessemos também como mote a frase latina Virtus Junxit, Mors Non Separabit”…

segunda-feira, 25 de junho de 2012

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Para ver (12)...


Hoje trago para Vós mais um documentário pertencente à série "Sociedades Secretas" que já tive a oportunidade de publicar na sugestão de video para ver , mas desta vez com incidência sobre a Maçonaria Norte-Americana. Como sabemos e é largamente publicitado, a Maçonaria e os seus princípios morais e éticos estiveram na base da formação dos Estados Unidos da América tal como muitos dos seus membros que se destacaram posteriormente na vida política e civil deste país.

A ver...




segunda-feira, 18 de junho de 2012

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Sugestão Literária (14)…


Hoje a sugestão literária que Vos faço, é o livro do mano Jean-Louis Biasi.
É um livro complexo e que aborda muitos temas intrínsecos à Maçonaria bem como aborda algumas correntes esotéricas que lhe são análogas. O autor faz também uma comparação ou “sugestão” de indícios maçónicos que existem também no livro “O Símbolo Perdido” de Dan Brown (algo inevitável, em virtude da contemporaneidade de ambos os autores).
Fala de Tradição, História, e principalmente de prática maçónica. O que por si, convida à reflexão face à mensagem que tenta passar…
É um livro bastante interessante e dos mais completos que já tive a oportunidade de ler sobre Maçonaria.
A não perder… De facto!

Livro:  “Segredos e Práticas da Maçonaria. Mistérios Sagrados, Rituais e Mistérios só agora Revelados”, Jean-Louis Biasi 32º, Publicações Europa-América.

sábado, 9 de junho de 2012

domingo, 3 de junho de 2012

Para ver (11)...



Hoje trago-Vos um documentário sobre Maçonaria que pertence à série documental "Sociedades Secretas".

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Recandidatura do Irmão José Moreno a Grão-Mestre da GLLP/GLRP para o triénio 2012/2014...




 

É já em Junho do corrente ano, que os Maçons da Grande Loja Legal de Portugal / Grande Loja Regular de Portugal serão convocados às urnas para elegerem o próximo Grão-Mestre para o triénio de 2012-2014.

Um dos candidatos ao cargo é o atual Muito Respeitável Grão-Mestre, Irmão José Moreno, que se recanditará ao cargo de Grão-Mestre da Grande Loja Legal de Portugal/Grande Loja Regular de Portugal.

Depois de um exemplar percurso maçónico que pode ser confirmado aqui, o Irmão José Moreno ficará para a história da Maçonaria Regular Portuguesa (e Mundial...) como o "Grão-Mestre da Reunificação". Fruto de um enorme trabalho para unir o que estava desunido à alguns anos a esta parte...

Conseguiu também que a língua portuguesa se tornasse numa das línguas oficiais da Maçonaria, em virtude também do seu profícuo trabalho na CMI (Conferência Maçónica Internacional), o aumento do número de obreiros da única Obediência Regular em Portugal e a aquisição das novas instalações que servirão para usufruto num futuro próximo...

E estas conquistas (e não só!) são apenas alguns dos trabalhos que lhe poderão ser atríbuidos e reconhecidos à vista profana. As restantes ficam para dentro do templo...

Por estes motivos que citei (e outros...) e pelo facto de também ser obreiro da Respeitável Loja a que pertenço, "Mestre Affonso Domingues Nº5", naturalmente só poderia apoiar a sua recandidatura a Grão-Mestre para o próximo triénio.

Para consulta da página oficial da recandidatura, visitar aqui .

segunda-feira, 28 de maio de 2012

sexta-feira, 25 de maio de 2012

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Silêncio (II)...


Estar em silêncio ou permanecer em silêncio é uma das maiores capacidades que o Homem pode ter (e desenvolver).
Permite adquirir uma visão sobre as coisas que de outra forma não seria possível obter. Uma vez que, o silêncio convida à reflexão, limitando no imediato uma atitude impulsiva. E meditando (em silêncio) sobre determinado tema ou assunto, permite ao interlocutor, o seu estudo de uma forma atenta e interessada; o “excesso de ruído“ não permite que a mente se “clarifique”. Apenas em silêncio se é passível de atingir um estado de clarividência, um estado de consciencialização que trará benefícios espirituais ao próprio ser.
Todavia, para além de o silêncio ser uma virtude, também ele é uma proteção. Ou seja, permanecendo em silêncio, é se quase impossível errar, proferindo alguma afirmação errada. Como tal, estar “calado”, permite ao interlocutor, uma “defesa”, que se não se encontrasse nesse estado (“silencioso”) o levaria (ao próprio ou outrem) indubitavelmente ao erro. Este silêncio em que se deve permanecer é uma espécie de limbo, zona de pseudo-conforto, que possibilita e conduz à aprendizagem. Tal como a balança tem dois pratos, também existem sempre duas (ou mais…) opiniões sobre dada matéria/tema/ideia. Logo existe quem argumenta e quem contra-argumenta! E cabe a quem está em silêncio refutar para si e chegar a uma conclusão sobre o debate a que assiste. Nem sempre a conclusão poderá ser a mais correta ou a mais aceitável, mas é a sua. Foi a sua decisão pessoal, a sua opinião que contou. O seu “silêncio” possibilitou-lhe tal permissa.
E no dia em que perder essa capacidade de se (auto)silenciar e perder a ponderação/reflexão necessária para a tomada de ações e ideias, regrediu como ser pensante que faz parte de um Todo, em que qualquer ação tem a sua (contra)reação… um efeito borboleta tal que a mínima imponderação pode levar ao mais grave dos acontecimentos.
Por isso é que o silêncio permite aprender e compreender algo. Permite através da observação, audição e estudo, absorver o que existe e o que se faz ao seu redor; criando na mente “impressões” que se transformarão em ideias ou atos.
É por isso que na Maçonaria, nos seus dois primeiros graus tradicionais (Aprendiz e Companheiro), existe a “obrigação” da permanência em silêncio durante essa fase de pertença a esses graus simbólicos. O estar “calado” não é uma diminuição das faculdades do maçom, antes é, uma benesse que lhe é oferecida para que possa interiorizar da melhor forma possível e atendendo às suas capacidades, uma melhor compreensão sobre o vasto simbolismo inerente ao seu grau bem como da Maçonaria na sua generalidade.
Se alguém pensar que estar calado ou que tenha de permanecer em silêncio é um travão, de facto o é! É um travão à impulsividade e inconsequência que geralmente degeneram em estupidez e ignorância.
E se custa estar em silêncio, assistindo a toda a gente a falar?!
Talvez. Numa primeira impressão, sim. Mas ponderando um pouco, a resposta é obviamente que não!
Por isso se usa dizer que o “silêncio é de ouro”…

terça-feira, 15 de maio de 2012

Para escutar (19)...


Mais uma canção em género de sátira à Maçonaria Portuguesa, televisionada no programa "Estado de Graça" da RTP. Apesar de não rever nas críticas que são feitas, não deixa de ser interessante a sua visualização.
 Sim, porque os maçons também têm sentido de Humor... 
Aqui fica "Rock do Avental".