terça-feira, 1 de novembro de 2011

Maçonaria Operativa / Maçonaria Especulativa...

A 24 de Junho de 1717 é fundada a Grande Loja de Inglaterra, proveniente da fusão de quatro lojas de pedreiros existentes na cidade de Londres, (A Coroa, O Ganso e a Gralha, A Taça e as Uvas, e A Macieira).

Com esta “fundação”, dá-se a transformação da Maçonaria Operativa em Maçonaria Especulativa, a Maçonaria contemporânea.

Mas o que são Maçonarias Operativas e/ou Especulativas?

A Maçonaria Operativa era a maçonaria dos pedreiros e construtores de catedrais que “praticavam” a sua arte desde o século X ao século XV e que durante esse tempo desenvolveram o estilo gótico, que hoje em dia ainda se pode observar nas catedrais que sobreviveram até aos tempos atuais, nomeadamente um dos expoentes máximos desse movimento estilístico, a Catedral de Chartres.

Os pedreiros e construtores desses tempos, tinham uma espécie de “carta de alforria” que os libertava de certas obrigações e impostos, e por isso eram designados por pedreiros-livres (freemason), termo que hoje em dia prevaleceu na maçonaria atual para diferenciar os pedreiros de ofício (stonemasons) em relação aos pedreiros do espírito (freemason).

Foi através dos seus conhecimentos (sabedoria) e da sua união (sindicatos/lojas) que eles se tornaram apetecíveis para uma burguesia que entrava numa nova era e começava então, a beber dos ensinamentos do Iluminismo. A Luz, a Liberdade, a Igualdade, e principalmente a Fraternidade eram novos valores populares. E os pedreiros operativos já os incluíam nos seus princípios há bastante tempo, pois movimentavam-se entre terras, mesmo desconhecidas, apenas conservando os seus conhecimentos, e se reconhecendo através dos seus toques, palavras e sinais, tal como os maçons atuais. A igualdade entre eles existia, mas desenvolvida num sistema de três graus, o Aprendiz e o Companheiro, e entre os companheiros seria designado um Mestre como diretor de obra. O desenvolvimento da fraternidade era o cúmulo do que se vivia nos seus locais de reunião, as Lojas.

Todavia, com o fim do Renascimento, o movimento gótico lentamente se extingue e as lojas de pedreiros operativos começam a declinar e a perder membros, mas na razão inversa, começam a ser visitadas por burgueses e estudantes de ciências ocultas (alquimistas, rosacruzes…) que tentados pelos conhecimentos e forma de estar dos pedreiros operativos, influíram para elas. E partir do momento em que as lojas operativas aceitaram estes novos pedreiros, que se transformaram em lojas especulativas. Não lojas onde se tratam assuntos de construção e fraternidade entre homens, mas para lojas onde o Homem é o centro da discussão. Originado um pensamento, o Homem deixou de ser construtor de catedrais, templos externos para construírem/desenvolverem o seu templo interno, o seu Eu.

Este tipo de lojas proliferou na época, ao mesmo tempo que as lojas operativas iam se extinguido, e com a adesão de novos membros, ricos e cultos, os temas abordados e as discussões acaloradas, levaram a que se criasse um conjunto de regras para que o respeito não resvalasse na violência, e foram criados os doze princípios da Regularidade que subsistem até hoje.

Como já afirmei no início, com a fusão de quatro lojas londrinas que originaram a Grande Loja de Inglaterra, a Maçonaria Especulativa evoluiu de tal forma que ainda hoje em dia, singra no mundo inteiro nas suas duas formas, Tradicional e regular e a Liberal ou adogmática.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Este Blog é um espaço onde impera a Verdade,a Liberdade,a Justiça, a Tolerância e o Bom Senso.
Por isso Você é Livre de opinar.
Apenas lhe é pedido respeito pelo autor.